FECHAR [X]

Uma Dica Por Dia

Promoção de Maio - Pantufa USB

alimentacao-de-criancasAinda não tenho filhos, acho que vou demorar algum tempo para tê-los, porém sempre é importante ter informações de como lidar com as crianças. Hoje estava navegando pela internet e achei dicas interessantes, para fazer com que seu filho coma, mais e da maneira correta. Lembro muito da preocupação da minha mãe com minha alimentação, proibindo alimentos na hora errada: “Não coma isso agora, vai estragar o almoço”. Essa deve ser a preocupação da grande maioria dos pais, principalmente os de primeira viagem. Por isso, espero que essas dicas sejam bastante úteis.

Prato do tamanho certo: durante o crescimento do bebê, é normal observar mudanças na quantidade de alimentos ingerida. No primeiro ano de vida, a criança apresenta um rápido desenvolvimento. Após completar um ano, a velocidade de crescimento diminui e, conseqüentemente, a quantidade de alimentos ingerida tende a ser menor. Por isso, não vale ficar preocupada se seu filho começa a ingerir menos alimentos do que você espera. O melhor mesmo é manter um acompanhamento com um pediatra para verificar se o crescimento dele está adequado, minimizando a ansiedade e as expectativas diante da quantidade de alimentos ingeridas por ele.
Horários regrados: se o almoço na sua casa é ao meio-dia, nem pense em dar uma mamadeira para a criança perto desse horário. Claro que o apetite vai sumir. As refeições realizadas junto à família incentivam a criança a comer e despertam o apetite dela para alimentos diferentes. Por isso, é importante incluir sempre sabores novos no cardápio e experimentá-los na companhia do seu filho.
Dê exemplo: os hábitos alimentares da família servem de exemplo para a criança. Se as pessoas ao redor consomem refrigerantes, frituras, salgadinhos e, oferecem à criança frutas, sucos, legumes, certamente, ela terá mais resistência para aceitar esses alimentos que não são hábitos da família.
Espante a preguiça: parece loucura, mas algumas crianças têm preguiça de comer. Entretidas com outras atividades, elas não sentem a menor vontad de interromper a brincadeira para exercitar a mastigação ainda mais quando o prato está muito cheio e o tempo perdido pode ser grande. Para ajudar nesse problema é ideal usar o aumento gradual na quantidade de comida e gratificações logo após as refeições. Brincadeiras também são bem- vindas.
Recompense o empenho dele: misturar alimentos pode dar certo num momento inicial ou com as crianças mais trabalhosas. Para cada quantidade do alimento que ele gosta, adicione um pouquinho do menos desejado. As crianças acabam comendo tudo, sem perceber , afirma a psicóloga Adriana Araujo.
Doces do bem: a paixão precoce pelos doces é comum também na infância. É de se esperar que a criança tenha um paladar mais aguçado para os doces. Use isso a favor de vocês, oferecendo alimentos doces saudáveis, como as frutas. A oferta de chocolates, bolos e tortas deve ser esporádica para que a criança perceba que esses alimentos não devem ser consumidos freqüentemente afirma a nutricionista Roberta Stella.
Cozinhem juntos: prepare o menu com a ajuda da criança. Peça sugestões para ela, mas não deixe de direcionar o cardápio. Use a oportunidade para mostrar a importância balancear as refeições, consumir alimentos saudáveis e restringir aqueles mais calóricos e com menor qualidade nutricional.
Educação alimentar: evite os estimulantes de apetite nos primeiros anos de vida. Eles fazem você desperdiçar uma ocasião especial para desenvolver o paladar do seu filho.
Acredite: quando tiver fome, ele vai procurar comida. E cabe a você oferecer opções saudáveis nessa situação. Só fique atenta para os eventos que podem prejudicar a vontade de comer, como o desenvolvimento da dentição.
Regrinhas básicas:
1. Tenha horários certos para as refeições;
2. Descarte a idéia de beliscar entre as refeições;
3. Evite comer na frente da televisão ou computador;
4. Dê o exemplo para a criança, cultivando bons hábitos alimentares;
5. Tenha sempre frutas, legumes e verduras em casa;
6. Só use as recompensas alimentares em situações de emergência;
7. Não force a criança a se alimentar. Quando tiver fome, ela vai procurar alimento

Comer a quantidade certa: é normal observar mudanças na quantidade de alimentos ingerida, durante o crescimento da criança. Por isso, não fique preocupado se seu filho começa comer menos. Mantenha o acompanhamento de um pediatra para verificar o crescimento de seu filho, estando tudo certo, a alimentação não é um problema.

Determine horários: se vocês costumam almoçar ao meio-dia, não dê nenhum alimento para a criança perto desse horário. As refeições devem ser realizadas junto à família, isto faz com que exista o interesse por alimentos diferentes.

Sirva de exemplo: a forma de se alimentar da família serve como exemplo para a criança. Procure alimentar-se de maneira saudável, que seu filho tem tudo para seguir seus passos.

Diga não a preguiça: parece mentira, mas existem crianças que não comem por preguiça. Entretidas com outras atividades, elas não sentem a menor vontade de interromper a brincadeira para exercitar a mastigação ainda mais quando o prato está muito cheio e o tempo perdido pode ser grande. Para ajudar nesse problema é ideal usar o aumento gradual na quantidade de comida e gratificações logo após as refeições.

Misture os alimentos: a mistura de alimentos pode dar certo num momento inicial ou com as crianças mais trabalhosas. Para cada quantidade de alimento que a criança gosta, adicione um pouquinho do menos desejado. As crianças acabam comendo tudoo.

Doces podem ser aliados: a paixão precoce pelos doces é comum também na infância. Use isso a seu favor, oferecendo alimentos doces saudáveis, como as frutas. A oferta de chocolates, bolos e tortas deve ser esporádica para que a criança perceba que esses alimentos não devem ser consumidos freqüentemente.

Crianças na cozinha: procure preparar as refeições com sugestões da criança, mas não deixe de direcionar o cardápio. Use a oportunidade para mostrar a importância balancear as refeições, consumir alimentos saudáveis e restringir aqueles mais calóricos e com menor qualidade nutricional.

Diga não aos estimulantes: evite os estimulantes de apetite nos primeiros anos de vida. Eles fazem você desperdiçar uma ocasião especial para desenvolver o paladar do seu filho.

Fome: quando tiver fome, ele vai procurar comida. E cabe a você oferecer opções saudáveis nessa situação. Só fique atenta para os eventos que podem prejudicar a vontade de comer, como o desenvolvimento da dentição.

Sete Regras básicas:

1. Tenha horários certos para as refeições;
2. Descarte a idéia de beliscar entre as refeições;
3. Evite comer na frente da televisão ou computador;
4. Dê o exemplo para a criança, cultivando bons hábitos alimentares;
5. Tenha sempre frutas, legumes e verduras em casa;
6. Só use as recompensas alimentares em situações de emergência;
7. Não force a criança a se alimentar. Quando tiver fome, ela vai procurar alimento.

E você, tem mais alguma dica para ajustar a alimentação de crianças? Clique aqui e compartilhe conosco.

fonte: TuToMaNiA

Leia Também

Deixe um comentario

@umadicapordia

Tem uma boa idéia e quer compartilhar? Nos envie sua dica!
2009 Uma Dica por Dia. Alguns direitos reservados, leia nossa Política de Privacidade.Some Rights Reserved